Blackground – música negra em todas suas vertentes

Loading Map....

Data / Hora
Date(s) - 23/07/2016
5:00 pm - 11:59 pm

Localização
Casa Mafalda

Colabore com a Agenda Preta

Categorias


Blackground é uma espécie de trocadilho, formado pela junção das palavras “playground”, palavra da língua inglesa que se refere a um parque onde crianças brincam, com a palavra, também inglesa, “black”, que significa negrx ou pretx.

blackground

Blackground surgiu quando amigos apaixonados pela música negra, pelos toca-discos e pelas infinitas possibilidades que eles proporcionam (scratches, beatjuggling, colagem, etc) decidiram colocar a mão na massa, organizar sua festa e mostrar um pouco de suas habilidades nos toca-discos. A festa tem como proposta difundir ainda mais a música negra, a cultura dos toca-discos, mesclando tudo isso com técnicas de turntablism.

A primeira edição da festa vai rolar na Casa da Mafalda, conhecido ponto de resistência da capital paulista, localizada na Lapa (Zona Oeste). Por ser um espaço que preza pela liberdade a contribuição com a entrada (R$5,00) é voluntária, mas é sempre bom lembrar: a Casa Mafalda é um espaço autônomo e autogestionado que também precisa pagar suas contas (aluguel, água, luz etc) então, se puder… contribua!

O som da festa fica na responsa de 5 DJ’s:

DJay Ed
DJ Hélio Ducapão
DJ JAS
DJ Priscila (a confirmar)
DJ Sgrufs

Além de ser uma festa, o evento é um espaço para troca de ideias e experiências. Um espaço para ouvir “um som” e porque não, tomar uns drinks. Então se você curte tudo isso, faça parte da nossa banca.

Quanto: R$5,00 (contribuição voluntária)

>>> importante: A CASA MAFALDA NÃO ACEITA CARTÃO <<<

————————–—————-

sobre a Casa Mafalda

Um dos objetivos da Casa Mafalda é o de se estabelecer enquanto um espaço autogestionado em que prevaleça o apoio mútuo, horizontalidade e solidariedade, além de ser um território livre de racismo, sexismo, machismo, homofobia, fascismo e qualquer outra forma de opressão.

A Casa Mafalda não é um bar ou a uma balada e se entende como um espaço para fins culturais, sociais e políticos, e não apenas festivos. Hoje, a Casa abriga também o Cursinho Livre da Lapa e o Café e Rebeldia.

Temos como um de nossos princípios a horizontalidade na tomada de decisões e realizações de tarefas. Como consequência, todos os participantes desses eventos, tanto convidados e interessados quanto organizadores e membros da gestão da Casa não são prestadores de serviço ou pessoas mais importantes, mas participantes que colaboram mutuamente para sua organização, na limpeza do espaço, na divulgação… Em resumo, a realização do evento como um todo cabe a todos os envolvidos.

Comentários

comentários

Bruna Salles

Mulher Preta de duas cabeças. Na de dar Assistência ao Social, me encantei pela Articulação Cultural e cá estamos: Co-Fundadora e Coordenadora de Comunicação da Agenda Preta.

Comente