Roda De Conversa: As Correntes Que Viraram Celas

Carregando mapa ....

Data / Hora
Date(s) - 28/10/2017
2:00 pm - 5:00 pm

Localização
Escola Pedro Geraldo Costa

Colabore com a Agenda Preta

Categorias


Ujima Povo Preto, organização Pan-africanista, convida no dia 28 para um uma roda de conversa sobre a recente volta da votação sobre a redução da maioridade penal e o racismo conítido nesse projeto genocida.

Acontecerá na escola Pedro Geraldo Costa – Rua São Francisco Capará, 75 – Lajeado – São Paulo/SP.

Link do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1291589324297076/?ti=cl

 

AS CORRENTES QUE VIRARAM CELAS: dos navios negreiros e senzalas, para camburões e presídios, do lado de cá, tudo é cárcere, tudo é morte.

A proposta da roda de conversa é discutir como o sistema prisional e o encarceramento em massa contribui para o genocídio do povo preto, visto que mais de 67% dos presos são pessoas pretas. Atualmente a população carcerária do Brasil é a quarta maior do mundo, com mais de 622.202 presos (dados do Infopen) onde 40% do total são de presos provisórios, pessoas que se encontram privadas de sua liberdade sem nem ainda terem sidos julgados. *Tal julgamento é um direito garantido à essas pessoas, entretanto na maioria dos casos quando finalmente é realizado o julgamento, é determinada uma pena menor do que o tempo em que o sujeito ficou preso aguardando julgamento, ou até mesmo sua inocência.*

Além da superlotação dos presídios que colabora para uma serie de problemas, como as doenças adquiridas pelos presos, as violações de direitos humanos básicos, e finalmente o extermínio, extermínio esse pensado e muito bem executado pelo estado através de “rebeliões’ como também as chamadas “mortes silenciosas” ocorridas por faltas de tratamento de doenças, nas duas primeiras semanas desse ano, já contávamos com 134 mortes nos presídios brasileiros. Sendo assim, a prisão é para além do cárcere, é morte, é maquina de moer corpos pretos.

Alem do mais, foi adiado para esse mês a votação da PEC 33/2012. A redução da maioridade penal funciona como mais um articulação contribuinte para o genocidio do povo Preto, sendo que vivemos um processo de encarceramento em massa e criminalização dos territórios Pretos (periferias e favelas). Vivemos um processo constante de criminalização dos corpos Pretos. A redução da maioridade penal serve como porta de passagem (ainda maior) dos nossos adolescentes para as mazelas do sistema prisional. Eles nos vêem como doenças que precisam ser erradicadas então nos isolam e nos controlam,desde o nosso nascimento somos moldados pelo sistema. Nosso caráter, nossa ética, nossa moral. Eles definem o futuro de nossos corpos Pretos, de nosso intelecto, nossa capacidade e nossa dignidade. Como o irmão Malcolm X bem observou, os brancos precisam que os pretos permaneçam imorais para que sejam controlados. O sistema prisional não passa de mais um dessas engrenagens de controle e extermínio.

Conforme dados 14,8% da população de 10 a 19 anos mora em favela. De acordo com o Departamento Nacional de Segurança Pública, os jovens com idade entre 16 e 18 cometem 0,9% de todos os crimes no país. Em contra partida a esse dado 77% das vitimas de homicídio por ano são pessoas Pretas de 15-29 anos. Uma politica racista e genocida que busca novos meios de controle e extermínio dos Pretos submetidos a essa colonia.

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *