O samba chora – Almir Guineto morre no RJ aos 70 anos

Almir Guineto

Morreu hoje, sexta, dia 05/05, um dos maiores sambistas do Brasil. A causa da morte de Almir Guineto ainda não foi confirmada, mas estima-se que tenha sido por conta problemas renais e diabetes. O cantor estava internado no Hospital Clementino Fraga,  da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Colabore com a Agenda Preta

Leia a nota de pesar postada no Facebook Oficial do cantor:

“Comunicamos com pesar o falecimento do sambista Almir Guineto, na manhã desta sexta-feira (5), no Rio de Janeiro, em decorrência de complicações trazidas por problemas renais crônicos e diabetes.
A família do cantor agradece pelas orações e o carinho de todos os fãs e admiradores. As informações sobre o velório e o sepultamento serão divulgadas em breve.”

Batizado como Almir de Souza Serra, Guineto nasceu no Rio de Janeiro, em 12 de julho de 1946. Cria do Morro do Salgueiro, Almir teve contato com a música desde o berço. Iraci de Souza Serra, seu pai, era violonista e fazia parte do Fina Flor do Samba, Nair, mais conhecida como “Dona Fia”, foi costureira e figura importante nos Acadêmicos do Salgueiro.

Nos anos 70 Almir Guineto já era diretor e mestre de bateria do Salgueiro, além de compositor do Bloco Cacique de Ramos. Um dos grandes feitos dessa época foi a inclusão do banjo no samba, instrumento usado até hoje em várias das rodas de samba pelo brasil.

Em sua carreira solo, Almir lançou 15 discos, além de outros com o grupo Fundo de Quintal, grupo que ajudou a fundar ao lado de Jorge Aragão, Sombrinha, Bira, Sereno, Ubirany e Neoci.

Nós da Agenda Preta, prestamos aqui nossas condolências e solidariedade a família, amigos e fãs desse grande artista brasileiro.

Almir Guineto viverá pra sempre nas rodas de samba, suas composições e seu trabalho pela arte brasileira sempre serão lembradas pelos amantes da música.

Comentários

comentários

Junior Rocha

Preto, amante de tecnologia, política, cultura e cerveja. Fundador da Agenda Preta e de outros projetos que ainda não existem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *