O Sonho Irreal

    1
    783

    O sol nasce, eis que surge mais um dia!

    O clarão do sol ilumina a sua casa, construída com paredes de barro batido e coberta com folhas de sapé, próximo de um lindo riacho. Ele levanta, vai até a cozinha pegar uma fruta, e lá está sua mãe, linda, belíssima, preparando um delicioso café. O cheiro é dos melhores, aliás, ninguém cozinha tal como sua mãe.

    Colabore com a Agenda Preta

    Obataiye! É uma criança feliz, alegre e inteligente. Ao sair no portão depara-se com seus amigos, todos contentes brincando de estrela-nova-cela. Logo é convidado para entrar na brincadeira. Um amigo grita: “o leão fugiu da jaula”, e todos começam a correr desesperadamente, Bata, como é chamado pelos amigos-irmão, cai no chão de terra. Tudo fica escuro!

    Obataiye abre os olhos! Tudo não passava de um sonho.

    Eis a realidade. Aquela casa linda, construída com paredes de barro batido e coberta com sapé, nos moldes das construções africanas, era, na verdade, o seu barraco construído com madeira. Ao lado, ao invés de um lindo riacho, tinha-se um esgoto a céu aberto. Bata, sabe que aquele será um dia comum.

    Levanta! Vai até a cozinha (o sonho poderia ser realidade, em parte). Mas não encontra a sua mãe, tampouco a fruteira recheada das mais variadas espécies de frutas. Na geladeira, somente água e um pedaço de marmelada.

    Com o estômago a roncar, Bata se arruma e vai para escola. Lá, vê a criançada brincando, mas nenhuma delas são seus amigos, ele fica de longe observando, sente vergonha de si, pois está com a mesma roupa da última semana. Na sala, quieto, pensa nos afazeres depois da escola. Ninguém liga para Obataiye, é só mais um menino que não quer saber de nada. Enganam-se!

    Depois da aula, Bata enfrentará um sol de 36° C, a tarde paulistana não é fácil. No farol, Obataiye, entre idas e vindas, com sua mãozinha pequenina, tenta vender as suas balas, afinal, é isso que garantirá o seu jantar.

    E assim passam-se os dias, semanas, meses e anos.

    A vida de Obataiye não faz muito sentido para ele.

    Eis que um dia, já mais velho, depare-se com uma mulher belíssima, da pele preta, olhos negros e com um sorriso cativante. Bata não entende a situação, não sabe ao certo o que dizer, mas a moça de alguma forma enxerga o sofrimento dele, e com uma voz apaixonante diz:

    “Obataiye, um corpo negro

    Um sorriso negro.

    Não desista, persista.

    A vida no Aye (terra) é feita de conquista,

    Por isso persista, não desista.

    É motivo de orgulho no Orum (céu).

    Lute! Contra tudo, pois seu nome é

    Obataiye, Rei do Mundo.

     

     

    (Obs.: “Obataiye é um nome derivado do Iorubá, e significa “Rei do Mundo”. Originária da Nigéria, África Ocidental)

    1 COMMENT

    1. Parabéns! Vossa Excelência trouxe uma ótima reflexão não só das origens Africanas, mas uma realidade no nosso País afora. Só agradece!

    Deixe uma resposta para Rafael Chagas Cancelar resposta